Invasão do Capitólio revela esgotamento do bipartidarismo nos EUA

O ataque ao Capitólio, prédio do Congresso estadunidense, em 6 de janeiro chocou não apenas os EUA, mas o mundo inteiro. Líderes do Partido Democrata – e mesmo do Republicano -, ex-presidentes e lideranças empresariais imediatamente reagiram ao abismo que se abriu sob seus pés: uma grande crise da classe dominante americana.

Enquanto os Democratas estão divididos desde as primárias, os Republicanos estão implodindo. Trata-se de uma profunda crise do Bipartidarismo, a forma clássica de dominação política americana em que ambos os partidos são dirigidos por Wall Street e pelas grandes multinacionais. A fenda escancarada durante a eleição de Trump continua a desgastar os EUA.

Em 2016, Trump foi eleito porque uma fração do eleitorado da massa trabalhadora – que tradicionalmente votava nos democratas nos estados desindustrializados do “cinturão da ferrugem” – votou em Trump procurando expressar uma rejeição a todas as elites de Washington, mas também à liderança da central sindical AFL-CIO, que foi por décadas complacente ao fechamento das fábricas e à perda dos empregos.

Desde 1980, um terço dos empregos industriais desapareceram nos EUA. E só em dezembro de 2020, 140 mil empregos foram perdidos. Este ano foi marcado pelas mobilizações históricas de negros, latinos, jovens brancos com a participação de muitos sindicalistas e seções sindicais. Tais mobilizações combatem o racismo sistêmico, mas também levantam todas as questões da sociedade americana: pobreza, precariedade, desemprego, ausência de Seguridade Social.

A crise do sistema concentra-se nos Estados Unidos

Os eventos violentos vistos em Washington são expressão do desgaste de sua dominação em escala global. A crise do sistema imperialista internacional concentra-se nos EUA. O estabelecimento do dólar como moeda global, sua criação maciça pelo FED (banco central), sem relação com a produção de riqueza real de sua indústria acentuam o caráter parasitário do sistema capitalista. Seu déficit comercial continua a aumentar.

Na tentativa de sobreviver, os EUA – sem outra alternativa – ataca os demais países, incluindo a China e a Europa, em uma intensa guerra comercial. Sua crise, ao enfraquecer o comando global do imperialismo, tem repercussões internacionais exacerbando a crise do capitalismo global e o pânico entre os governos. O que gera temor entre governos, já que é o imperialismo dominante e, portanto, a ordem mundial que está em choque; numa situação marcada por uma onda revolucionária em vários países em 2019 e pelo surgimento das mobilizações nos EUA mesmo, em 2020.

Trabalhadores precisam de seu próprio partido
Cartazes no movimento Ocupe Wall Street, em 2011: “Trabalhadores precisam um partido próprio deles” e “as polícias são ferramentas dos ricos”

Governantes esperam que Biden seja mais compreensivo que Trump. Embora o Democrata seja mais diplomático na forma, as demandas do grande capital dos EUA não lhe dão margem de manobra. Mesmo ganhando a maioria no Senado e na Câmara, ele anunciou querer estabelecer a unidade da nação americana, estendendo a mão aos republicanos para defenderem juntos as instituições e interesses da burguesia. E muitos responderam positivamente, porque ambos – para além das brigas partidárias – querem defender as instituições americanas em crise. O programa de financiamento de gastos militares para 2021, por exemplo, foi aprovado por democratas e republicanos, a despeito da tentativa de vetos de Trump.

Comentaristas apontam ser indispensável salvar o Partido Republicano para salvar o bipartidarismo. Biden anunciou um pacote de estímulo de vários trilhões de dólares, procurando já envolver os Republicanos.
A crise continuará, com o desemprego e o empobrecimento do povo não sendo resolvidos. Biden já havia anunciado em sua campanha ser contra o sistema público de Saúde Para Todos (Medicare for All) – apoiado por sindicalistas de base e pela “esquerda” do partido e seu representante Sanders. Biden defende ao invés a lei Obama no Medicare, que é preservar os planos de saúde privados. As manifestações do Black Lives Matter no ano passado reivindicavam uma “re-fundação” da polícia para combater o racismo sistêmico. Biden já afirmou ser contra.

É neste contexto que a aliança entre negros, latinos, jovens brancos e muitos sindicalistas ganha importância: não apenas para preparar a retomada das mobilizações, mas para construir uma alternativa independente da classe trabalhadora nesta crise do bipartidarismo dominante.

Lucien Gauthier

publicado no jornal francês Informations Ouvrieres

Gostou? Comente sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: